FESTIVAL MANGABA INSTRUMENTAL: REALIDADE!

11 set

De tanto rezar, chegamos lá! O primeiro Festival Instrumental em Sergipe. Todos detalhes abaixo, com destaque ao quarteto Sinequanon (foto), referência no Jazz contemporâneo made in Brazil.

O Festival Mangaba Instrumental é um projeto cultural idealizado pela Eccos Eventos que pretende, a longo prazo, fomentar e difundir a música instrumental feita em Sergipe, através da promoção de shows com artistas locais em ascensão e do intercâmbio com grupos mais experientes do cenário instrumental brasileiro, bem como a formação de público para vertentes musicais que incluem, em seu caldeirão de influências, misturas de jazz, rock, chôro, soul music, erudito, ritmos nordestinos e experimentações audio-visuais.

A cena instrumental local, ainda em desenvolvimento, já exibe sinais de força, estética própria, diversidade e compromisso com uma música baseada na improvisação e na livre expressão de instrumentistas das mais variadas formações, resultando em propostas diversificadas e resultados sonoros por vezes surpreendentes. O Mangaba Instrumental se propõe a ser uma vitrine para este segmento específico, bem como firmar-se no calendário nacional de festivais de música instrumental, atraindo renomados músicos brasileiros e incentivando a produção de novos trabalhos em Sergipe.

A primeira edição do evento acontecerá de 16 a 18 de Setembro, com dois dias no Oceanário de Aracaju, na Orla de Atalaia, e o domingo no tradicional Chorinho do Inácio, no Bairro América. O preço popular do ingresso (R$10,00 no Oceanário, R$4,00 no Chorinho do Inácio) visa atrair um público amplo e variado, incentivando a formação de platéia para a música instrumental produzida em Sergipe. Na sexta, a partir das 22h, apresentam-se os grupos Casa Forte, Coutto & Orchestra de Cabeça, Ferraro Trio e Vendo 147 (BA); No sábado, sobem ao palco do Oceanário, a partir das 21h, Alberto Silveira, Café Pequeno e Sinequanon (SP). No domingo, o tradicional Chorinho do Inácio, incorporado ao festival, acontece a partir das 18h no Bairro América.

PROGRAMAÇÃO:

Sexta, 16 de Setembro – Oceanário de Aracaju (R$10,00)

22h – Casa Forte

22:40h – Coutto & Orchestra de Cabeça

23:30h – Ferraro Trio

00:30h – Vendo 147 (BA) – Lançamento do CD “Godofredo”

Sábado, 17 de Setembro – SESC Centro

15h – Workshop do Sinequanon sobre improvisação coletiva (R$10,00)

Sábado, 17 de Setembro – Oceanário de Aracaju (R$10,00)

21h – Alberto Silveira

21:40h – Café Pequeno

22:30h – Sinequanon (SP)

Domingo, 18 de Setembro – Chorinho do Inácio

18h – Chorinho do Inácio, no Bairro América (Couvert de R$4,00)

– SINEQUANON (SP): O grupo brasileiro Sinequanon, com Lupa Santiago (guitarra), Vítor Alcântara (saxofones), Sidiel Vieira (contrabaixo) e Carlos Ezequiel (bateria), explora a improvisação coletiva na linguagem do jazz moderno. Com 10 anos de experiência e 4 cds lançados, o grupo já se apresentou por todo o Brasil em festivais e é figura frequente na cena de jazz de SP. Nessa primeira vez em Aracaju, o quarteto paulista apresentará algumas das composições que fazem parte de seus mais recentes cds, cuja sonoridade se refere principalmente ao jazz de NY e ao jazz europeu.

– VENDO 147 (BA): Nascida em Salvador, tem como principal diferencial o uso do “clone drum” (bateria siamêsa, onde um mesmo bumbo é tocado por duas pessoas, sincronizadas). A banda é formada por Glauco Neves e Dimmy “O Demolidor” Drummer, os “bateristas-clones”, Pedro Itan e Duardo Costa, nas guitarras, e Caio Parish, no baixo. O grupo iniciou suas atividades em 2009 e, em pouco tempo, conseguiu difundir seu som em quase todos os cantos do país, tendo participado dos principais festivais de música, como: Do Sol (RN), Aumenta que é Rock (PB), Campeonato Mineiro de Surfe (BH), Palco do Rock no carnaval (BA), Abril Pro Rock (PE), Maionese (AL), Virada Cultural (SP), Bananada (GO), Demo Sul (PR), Festival Instrumental BNB (PB e CE), Big Bands e Grito do Rock (BA), entre outros. A banda acaba de lançar seu primeiro CD, “Godofredo”, e realizou a “Turnê 147” com 20 shows em 25 dias, pelas regiões Sul e Sudeste.

– CAFÉ PEQUENO: O terceto sergipano de música instrumental surgiu em 2005 e é composto pelos músicos Pedrinho Mendonça (percussão), Júlio Rêgo (gaita) e Guga Montalvão (violão). Em 2009 lançou o elogiado “Café Pequeno Na Cozinha de Badyally”, o primeiro cd do grupo, com 6 canções autorais e releituras do alagoano Hermeto Pascoal, do sergipano João Rodrigues e do espanhol Manuel de Falla. Em 2010 o grupo viajou até a França e tocou no Café Lê Fleurus e na Cité Universitaire Internationale de Paris, onde realizou um show para acadêmicos de várias partes do mundo. Ainda em 2010 vencem a etapa nacional do Festival de Música da Arpub e em maio de 2011 o grupo se apresentou no XI Tensamba Festival, em Madri, Espanha.

– FERRARO TRIO: Formado em 2009 pelos músicos sergipanos Saulo Ferreira (guitarra), Robson Souza (baixo) e Rafael Jr (bateria), o grupo lançou dois EPs, um DVD e um single virtual, e vem se apresentando em eventos como Verão Sergipe 2010 (Barra dos Coqueiros) e 2011 (Caueira), Projeto Verão (orla de Atalaia), II Simpósio de Educação Musical na UFS, Festival Rock Sertão (Glória/SE), Feira Música Brasil (Belo Horizonte/MG), VI Festival BNB de Música Instrumental (Juazeiro/CE e Souza/PB), Festival de Música da ARPUB, entre muitos outros. Produziram shows com projeção de imagens no Teatro Lourival Batista e auditório do CIC, venceram editais públicos de circulação e gravação, e participaram das coletâneas “Sergipe´s Finest” (Disco de Barro/SE) e “Compact.Rec” (Funarte/Minc).

– ALBERTO SILVEIRA: Compositor, arranjador e violonista, tocou em bandas de pop rock e em projetos de música instrumental brasileira em bares na noite sergipana. Foi finalista do Festival da TV Atalaia em 2009 e 2010, e foi o artista instrumental mais votado pelo público no Festival da Aperipê. Também é autor de trilhas sonoras para o cinema – “A Parede” foi vencedor do prêmio Aperipê de 2007 e “Do Outro Lado do Rio” está atualmente em circuito de exibição. Em 2011 foi selecionado para a Mostra de Música Sergipana do SESC.

– COUTTO & ORCHESTRA DE CABEÇA: O grupo sergipano faz música pensando em imagens, como uma montagem sonora do cotidiano. A Orchestra é fruto da combinação de histórias indizíveis onde as músicas costuram uma dinâmica de sensações em timbres acústicos e elétricos, ruídos da cidade, da casa, levemente suspensos sob o imaginário de Coutto e sua Orchestra de Cabeça. Um início, uma ladeira.

– CASA FORTE: Power trio formado em 2010 por integrantes de duas bandas de hardcore conhecidas de Sergipe, a Rótulo e a Nucleador, com a proposta de fazer rock instrumental misturado também a influências de samba rock, funk, soul, blues e jazz. Utilizando a riqueza desses gêneros musicais, as canções vão surgindo da vontade de explorar esses ritmos. A banda está em processo de pré-produção do primeiro EP, com 5 faixas autorais. A Casa Forte é composta por Erik Frog (guitarras), Roque Joseph (baixo) e Bruno Petoh (Bateria).

2 Respostas to “FESTIVAL MANGABA INSTRUMENTAL: REALIDADE!”

  1. Cesar Goes setembro 14, 2011 às 11:53 pm #

    Meu Caro Ernesto, nada como uma quarta à noite em casa te ouvindo. Ajuda a passar os últimos frios. Parabéns e que tristeza não estar aí no Mangaba. Mis saludos parceiro!

    • blogclubedojazz setembro 16, 2011 às 3:03 pm #

      Superobrigado, Cesinha. É uma honra. Te esperamos em breve para alguma Festa do Clube do Jazz, ok? Grande abraço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: